NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
UTAD testa inovadora bengala electrónica para invisuais

UTAD testa inovadora bengala electrónica para invisuais

quarta, 14 fevereiro, 2018 /
UTAD testa inovadora bengala electrónica para invisuais

Vai ser testado um sistema de visão artificial e uma bengala electrónica que dá informações de contexto e de suporte à navegação.

 

Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência da Universidade do Porto (INESC TEC) desenvolveram uma inovadora bengala electrónica para invisuais. Os testes decorrem na UTAD na próxima segunda-feira, dia 19 de Fevereiro.

Para funcionar a bengala precisa de comunicar com uma aplicação de navegação para smartphones que também permite localizar o utilizador. No punho, impresso em 3D, está toda a componente electrónica. O acessório tem um leitor de etiquetas de radiofrequência (RFID) e uma antena que permite localizar o portador. A interacção com a aplicação dá-se através de um joystick implementado na bengala, que comunica com o smartphone por Bluetooth. Adicionalmente inclui um emissor de sinais sonoros e um actuador háptico que emite vibrações de diferentes durações e frequências.

A aplicação obtém a localização do utilizador através de GPS, WiFi ou visão por computador, entre outras tecnologias. A app também armazena informação geográfica relevante, que inclui mapas desenvolvidos pelos investigadores numa plataforma própria, calcula rotas ou alerta o utilizador para pontos de interesse nas suas proximidades. A interacção com a app é suportada em áudio (text to speech) ou por via háptica (bengala).

Nesta fase do projecto é essencial fazermos testes com invisuais, porque há por vezes pequenos detalhes que enquanto visuais não conseguimos perceber. Foi, nesse sentido, que a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) se juntou a nós na organização destas demonstrações, explica João Barroso, investigador do INESC TEC e docente na UTAD. No futuro, espera-se que qualquer utilizador consiga configurar o nível de informação que pretende obter através do sistema, sendo que a qualidade e a quantidade são fatores de extrema relevância. Não chega dizer se existem ou não escadas num determinado edifício, é preciso informar a pessoa quantos degraus tem a escada, se existe ou não um corrimão, entre outros.

Segundo o INESC TEC em comunicado de imprensa, produzir uma bengala destas custa cerca de 300 euros, de forma isolada e em termos de componentes adicionadas. "O custo desta bengala que desenvolvemos é relativamente baixo se compararmos com outras bengalas para cegos que são muito mais limitadas nas suas funcionalidades". E acrescenta: "no entanto, é necessário ter em conta que a bengala não funciona sozinha e a implementação do sistema envolve outros custos que, em teoria, caem sobre os instaladores, e não sobre o utilizador", continua.

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) reconheceu este projeto com o Prémio Inclusão e Literacia Digital 2015, no valor de 29 mil euros. As demonstrações que agora estão a ser feitas surgem na sequência deste reconhecimento.

 

6,277

Colaborações

MindShaker

O que deve saber sobre desbloquear telemóveis?

Por MindShaker | 17 julho 2018

THERENT.ZONE

HTC Vive vs Oculus Rift: qual o melhor equipamento de realidade virtual?

Por THERENT.ZONE | 21 março 2018

eMenuk

Sistema de Menu Digital Para Restaurantes

Por eMenuk | 15 março 2017

Surf Map Portugal

Tecnologia no Surf

Por Surf Map Portugal | 07 março 2017

Colunistas

Lauro Lopes

Como fazer captura de ecrã no Android?

Por Lauro Lopes | 08 agosto 2018

close