NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Spam malicioso atingiu máximo de dois anos no terceiro trimestre deste ano

Spam malicioso atingiu máximo de dois anos no terceiro trimestre deste ano

segunda, 28 novembro, 2016 /
Spam malicioso atingiu máximo de dois anos no terceiro trimestre deste ano

Relatório da Kaspersky Lab sobre Spam e Phishing no Q3 regista aumento do volume de emails com spam em 37% face ao trimestre anterior.

 

ªEste texto é um comunicado de imprensa da marca e não é da autoria do Telemoveis.com

De acordo com o relatório Kaspersky Lab “Spam and Pishing Q3”, os produtos da empresa bloquearam 73.066.751 tentativas de ataque com anexos infetados. Isto representa o maior volume de spam malicioso deste o início de 2014 e um aumento de 37% face ao registado no trimestre anterior. A maioria das ligações era ransomware do tipo trojan downloaders.

Após alguns meses relativamente estáveis, a percentagem de spam no fluxo global de e-mails aumentou. A média para o trimestre era de 59.19%, um aumento de cerca de dois pontos percentuais relativamente ao trimestre anterior, o que significa que cerca de 6 em 10 emails recebidos são spam não solicitado. Além disso, a percentagem de spam no fluxo global de setembro atingiu o máximo anual e fixou-se em 61.25%.

“O Spam é geralmente apenas publicidade não desejada, mas também existe um lado mais negro. Os criminosos utilizam o spam para distribuir malware e tirar partido da vulnerabilidade dos utilizadores, convencendo-os a entregar dinheiro e detalhes pessoais. A maioria de emails com spam malicioso durante o trimestre passado continha ransomware, o que reforça ainda mais as provas da crescente epidemia deste tipo de malware. Nós apelamos a que não abram nenhum tipo de anexos suspeitos ou cliquem em links desconhecidos – o website pode estar comprometido – porque qualquer uma destas opções pode resultar na infeção do dispositivo” – afirma Alfonso Ramírez, Diretor Geral da Kaspersky Lab Iberia.

 

Para além da distribuição de ransomware, no Q3 mostramos que os spammers tentaram seduzir as vítimas para sistemas de fraude, oferecendo-lhes a oportunidade de testar produtos, incluindo acessórios domésticos bastante caros ou tecnologias de ponta, como o recentemente apresentado iPhone 7.

O assunto dos emails incluía um “Registe-se para testar e ganhar um novo iPhone 7S” e “Wanted: iPhone 7S Testers!” Tudo o que os utilizadores tinham de fazer era fornecer o seu código postal, endereço de email, outras informações pessoais e pagar os portes de envio. Em troca, os produtos ser-lhes-iam enviados. Não eram dadas garantias e o resultado era simples: os criminosos desapareciam, simplesmente, com o pagamento e os detalhes pessoais das suas vítimas.

“Este tipo de criminosos utiliza geralmente grandes e novas histórias para enganar as pessoas. O exemplo do iPhone 7 é apenas um entre muitos que foram utilizados no decorrer do trimestre. Aconselhamos as pessoas a estar atentas, a tratar emails desconhecidos com precaução e a assegurar, antecipadamente, que estão a utilizar uma solução de AV confiável,” – acrescentou Alfonso Ramírez, Diretor Geral da Kaspersky Lab Iberia.

 

Outras descobertas importantes incluídas no relatório Q3 2016 sobre Spam e Phishing:

- A Índia passou para o topo da lista de países que geram spam, com cerca de 14.02% de e-mails de spam enviados a partir de lá. Isto representa um aumento 4.4% relativamente ao trimestre anterior. O Vietnam manteve a segunda posição com 11.01%, seguido dos E.U.A. (8.88%), que desceu do primeiro para o terceiro lugar.

- A Alemanha continua a ser o país escolhido pelos spammers, com 13.21% de utilizadores afetados por emails com spam, com mais 1.48% do que no Q2. O Japão acabou o trimestre como o segundo país preferido pelos spammers (8.76%), um aumento de 2,36%; a China (8,37%) é terceira.

- O sistema anti-phishing da Kaspersky Lab foi ativado 37.515.531 vezes nos computadores dos utilizadores da Kaspersky Lab – um aumento de 15% comparado com o Q2 de 2016.

- O país onde foi registada a maior percentagem de utilizadores afetados por ataques phishing, foi, mais uma vez, a China (20,21%), seguida do Brasil (18,23%) e dos Emirados Árabes Unidos (11,07%).

- Os bancos ocupam o ranking de organizações atacadas por phishers, com uma partilha de 27,13%, o que representa um aumento de 1.7 pontos percentuais no Q2 de 2016. Os bancos foram seguidos de portais globais na Internet (21,73%), um aumento de 0,8%, das lojas online(12,21%) - um aumento de 2,82%.

Leia o relatório completo do Q3 2016 sobre Spam e Phishing, no Securelist.com

 

 

397
Comentários
close