NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Se o Megaupload fosse um filme, seria de espionagem

Se o Megaupload fosse um filme, seria de espionagem

quarta-feira, 20 março, 2013 /
Se o Megaupload fosse um filme, seria de espionagem

Ainda se recordam do Megaupload, encerrado no ano passado após uma rusga do FBI à mansão de Kim Dotcom? Agora imaginem espiões pelo meio.

Não nos admiraríamos se um dia o caso Megaupload desse origem a um filme, já que inclui todos os ingredientes necessários para um blockbuster de sucesso: acção, conspirações e até mesmo espionagem. De facto, terá sido a espionagem a salvar Kim Dotcom, fundador do Megaupload e do seu mais recente sucessor Mega, de uma possível extradição para cumprir pena nos EUA. É que de acordo com as informações avançadas pelo partido Trabalhista da Nova Zelândia, Kim Dotcom foi alvo de espionagem ilegal.

Kim Dotcom

Se o Megaupload fosse um filme, seria de espionagem

Em declarações à Radio New Zeland, o número dois do partido - Grant Robertson - terá referido que os documentos que se encontram na posse do seu partido reflectem uma combinação de conduta extremamente torpe, uma comunicação muito pobre e encobrimento por parte do gabinete nacional de segurança da Nova Zelândia, que já tinha conhecimento destas acções de espionagem pelo menos sete meses antes de Kim Dotcom ter sido detido na sua mansão, no início de 2012.

Estas não deixam de ser boas notícias para Dotcom, que pode ver o seu processo de extradição para os EUA ser anulado. O Megaupload foi abruptamente encerrado em Janeiro do ano passado após a mansão de Kim Dotcom ter sido alvo de uma rusga por parte do FBI, que deteve o fundador do Megaupload em conjunto com outros funcionários do popular website de partilhas, acusando-os de violação de direitos de autor e enriquecimento ilícito.

6,379