NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Porto: «Bug» do ano 2000 «KO»

Porto: «Bug» do ano 2000 «KO»

terça-feira, 21 dezembro, 1999 /
Os autocarros e comboios não vão parar no Porto às 00:00 de 01 de Janeiro, os semáforos vão funcionar e não vai haver cortes no fornecimento de água e electricidade, garantiram hoje à Agência Lusa diversas fontes. «Porto, 21 Dez (Lusa) - Os autocarros e comboios não vão parar no Porto às 00:00 de 01 de Janeiro, os semáforos vão funcionar e não vai haver cortes no fornecimento de água e electricidade, garantiram hoje à Agência Lusa diversas fontes. Fontes do Governo Civil do Porto (Protecção Civil), câmara, Aeroporto Sá Carneiro, sociedade de transportes colectivos (STCP) e Caminhos de Ferro Portugueses (CP) garantiram que todos os testes e simulações indicam que não haverá na região implicações negativas do "bug" informático do ano 2000. Apesar destas perspectivas, todas as instituições e empresas contactadas criaram gabinetes de contingência, que estarão de prevenção antes e depois das 00:00. O governador civil do Porto, Joaquim Couto, disse à Lusa que "todas as instituições têm planos de contingência e estão preparadas e reforçadas" em meios humanos e materiais. Joaquim Couto referiu que não se prevê qualquer problema provocado pelo "bug", mas foi preparado um reforço de meios para precaver ocorrências imprevistas, tendo em conta sobretudo o facto de se tratar da chamada "passagem do milénio". O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) vai dispor no Porto de três helicópteros, um da Força Aérea e dois do Serviço Nacional de Bombeiros, os hospitais vão ter geradores de emergência e foram criadas reservas de água (para combate a incêndios e potável) e de combustíveis. Caso haja falhas ou sobrecarga nas redes telefónicas, vários serviços (designadamente o INEM) têm já rádios de comunicação e até estarão de prevenção estafetas, para o caso de também os rádios falharem. "A PSP garantirá corredores de acesso aos hospitais", afirmou o governador civil, referindo que os agentes da polícia chegarão aos locais de maior aglomeração de pessoas muito antes da meia-noite, para evitar o estacionamento desordenado de viaturas e a obstrução de ruas. O centro de operações criado especialmente para a passagem de ano, dirigido pelo coronel Alves da Cunha, da Protecção Civil, vai funcionar no Governo Civil do Porto e estará permanentemente em ligação com o comando central, em Lisboa. Joaquim Couto referiu que foi considerada também a eventualidade de ocorrer "alguma confusão" originada por "grupos que possam especular sobre acontecimentos fantásticos na Àpassagem do milénioÈ", como "o fim do Mundo", apesar de as autoridades distritais não terem conhecimento de qualquer iniciativa em preparação. O "Alerta Azul" (situação normal) será dado às 09:00 do dia 29 e será substituído pelo amarelo dois dias depois (às 09:00 do dia 31), podendo sucessivamente passar a laranja ou vermelho (máximo) caso ocorra algum problema grave. A Câmara do Porto também se considera "vacinada" contra o "bug" do ano 2000 e garante que "não haverá qualquer falha na sinalização electrónica", tendo sido testados todos os serviços, nomeadamente de segurança dos museus municipais e de fiscalização e contra-ordenações da Polícia Municipal. Apesar destas garantias, duas pessoas vão permanecer toda a noite da passagem de ano na sala de controlo centralizado de tráfego, para precaver qualquer imprevisto, como "situações anómalas ocorridas por falhas externas". A autarquia recomendou também a todos os funcionários que estejam preparados para executar manualmente "tarefas críticas", caso algum sistema falhe. Fonte da STCP disse à Lusa que os autocarros vão circular normalmente às 00:00 de 01 de Janeiro, porque as alterações feitas no equipamento informático e sua programação já foram testadas sem que se registasse qualquer anomalia. "Não há razão nenhuma para pararem", afirmou a fonte, sublinhando que a empresa já desencadeou em 1998 todas as acções necessárias para precaver os efeitos negativos do "bug". Contudo, a STCP também criou um plano de contingência, que envolve "pouca gente" e que tem em atenção fundamentalmente "qualquer problema externo" que venha a surgir. Fonte da CP referiu à Lusa que os comboios também não vão parar às 00:00, vigorando o horário normal para a época (de Inverno), porque os resultados dos estudos e testes ao material circulante foram "muito positivos". A CP tem também garantias da Refer de que não haverá problemas nas infra-estruturas ferroviárias e da EDP de que o fornecimento de electricidade não será afectado, mas mesmo assim vai ter uma "equipa reduzida" de prevenção. O "bug" foi "antecipado" pela CP, que testou a passagem de 1999 para 2000 em comboios em circulação. O director do Aeroporto Sá Carneiro, Fernando Vieira, disse à Lusa que "não há previsões de haver algum problema", estando os equipamentos todos preparados para entrar no ano 2000. Fernando Vieira referiu que nenhum avião deverá estar no ar às 00:00 de 01 de Janeiro, mas, contudo, estará no aeroporto uma equipa de prevenção, liderada por si e constituída por "dezenas de pessoas".»
2,505