NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Os jovens são a chave para resolver a escassez de conhecimentos na indústria de cibersegurança

Os jovens são a chave para resolver a escassez de conhecimentos na indústria de cibersegurança

quinta, 10 novembro, 2016 /
Os jovens são a chave para resolver a escassez de conhecimentos na indústria de cibersegurança

Os jovens peritos em tecnologia podem colmatar o crescente défice de competências existente nas empresas para combater as ciberameaças e evitar a intromissão massiva nos dados públicos e privados dos cibernautas.

 

*Está a ler um comunicado de imprensa produzido pela Kaspersky Lab

Contudo, a indústria está a falhar na hora de proporcionar um caminho aos jovens que desejam encontrar trabalho, aperfeiçoar os seus conhecimentos e colocá-los ao serviço da sociedade. Pelo contrário, pode até estar a fomentar o cibercrime, quando o devia estar a evitar.

Num recente estudo que envolveu 12.000 jovens e profissionais de TI dos Estados Unidos e da Europa, a Kaspersky Lab descobriu que os menores de 25 anos, altamente qualificados e fáceis de impressionar, estão imunes ao choque dos ciberataques em grande escala. Em muito poucas ocasiões a preocupação supera a curiosidade por este tipo de delitos. Aliás, 57% dos jovens com menos de 25 anos considera que a pirataria é uma habilidade "impressionante" e apenas 35% de todos os inquiridos revelou sentir-se desconfortável com o facto de haver quem tenha conhecimentos para hackear. Muitos jovens são já especialistas em esconder alguma informação; por exemplo, um terço dos jovens com menos de 25 anos (31%) sabe ocultar o seu endereço de IP.

 

Embora um em cada quatro (27%) tenha levantado a possibilidade de se dedicar à cibersegurança e 47% considerar que é uma boa forma de utilizar o seu talento, muitos mais são os jovens que admitem a tentação de participar em atividades duvidosas. Só metade (50%) dos jovens com menos de 25 anos admite lutar efetivamente contra o cibercrime e 17% confessa que usaria os seus conhecimentos para se divertir, 16% para levar a cabo atividades obscuras e 11% para obter benefícios financeiros.

"A indústria e o sistema de educação devem esforçar-se mais para contratar esta geração mais jovem de ciberprofissionais. Os sinais de alerta são evidentes: a frequência e a gravidade dos ciberataques por parte de adolescentes aumenta com a competência de cada geração, assim como com a disponibilidade imediata de serviços de malware," afirma Eugene Kaspersky, presidente e diretor executivo da Kaspersky Lab.

 

Sejam “cérebros” por trás destes ataques ou meros soldados ao serviço de grupos criminosos, os hackers adolescentes têm estado associados a numerosos crimes cibernéticos de alto perfil nos últimos anos, incluindo os ataques à Sony, empresa norte americana de entretenimento, à Target, distribuidor dos EUA, à Mumsnet, um site de educação do Reino Unido e à TalkTalk, um fornecedor de serviços de banda larga do Reino Unido. Os ataques chegaram mesmo às agências cuja missão é deter estas situações: a CIA e a SOCA (Serious Organized Crime Agency) foram vítimas de piratas adolescentes no Reino Unido em 2012.

Alfonso Ramírez, diretor geral da Kaspersky Lab Iberia, afirma que “cibercrime organizado já não é motivo de preocupação apenas para as empresas, mas é algo que é cada vez mais pessoal e ameaça perturbar, e potencialmente envergonhar, utilizadores domésticos. Se não o enfrentarmos, vai afetar a vida pública e privada, tal como já se comprovou nos recentes ataques dirigidos à Sony Entertainment e a Ashley Madison, onde se fizeram públicos dados confidenciais. O nosso estudo faz três revelações importantes: 1) a existência de uma lacuna de competências e conhecimentos no ramo da segurança da informação; 2) a capacidade dos jovens para suprir estas necessidades; 3) a falta de oportunidades na indústria para que estes jovens deem os primeiros passos”.

 

Os entusiastas das TI nos dias de hoje poderiam ser a chave para superar o crescente défice de competências cibernéticas, mas têm de ser encorajados a fazer uso destes conhecimentos no combate ao cibercrime. A mais recente Sondagem Global aos funcionários da Frost and Sullivan prevê a escassez de 1,5 milhões de profissionais de segurança da informação em 2020, se as tendências atuais se mantiverem. A pesquisa revela que 93% reconhece a necessidade de a profissão evoluir tendo em conta o contexto e 87% acredita que é importante que os jovens se juntem à guerra da segurança cibernética.

Atualmente, as empresas não direcionam os interesses e o talento dos jovens para este campo. Muitas não têm nenhum funcionário dedicado à cibersegurança em início de carreira; a maioria realiza promoções internas (72%) com formação dentro de portas em função das necessidades, e recrutam externamente (52%) especialistas em segurança.

 

De acordo com a opinião do setor TI, o sistema de educação desempenha um papel fundamental na hora de incentivar os jovens a seguir a profissão e a fornecer as aptidões necessárias. 63% dos profissionais de TI afirma que o sistema educativo deve ser o responsável pela formação das novas gerações de profissionais de cibersegurança. O setor educativo já meteu mãos à obra e, em janeiro, o Presidente Obama direcionou 4.000 milhões de dólares para o investimento em computação nas salas de aula nos Estados Unidos. O governo britânico acaba de anunciar um plano de competências pós-16 anos, com o objetivo de desenvolver as capacidades digitais no ensino superior. Na Europa, a Comissão Europeia definiu metas para a melhoria dos conhecimentos digitais como parte da sua estratégia rumo a um Mercado Digital Único.

Para solucionar o problema, a Kaspersky Lab considera que as empresas também devem contribuir com mais ações para encorajar os jovens a seguir carreiras nesta área da cibersegurança, incluindo junto dos profissionais de segurança das TI, uma vez que estes são os próprios a reconhecer que as organizações se devem esforçar mais para oferecer formação e programas avançados (26%).

 

“Consideramos que a Kaspersky Lab, juntamente com as restantes empresas do setor de cibersegurança, tem parte da responsabilidade no seio da indústria. Neste sentido, a nossa companhia faz frente à situação diretamente e desempenha um papel ativo para resolver este problema global. Um exemplo a referir é o recente lançamento do Talent Lab”, afirma Eugene Kaspersky.

O Talent Lab é um concurso internacional dirigido a universitários e jovens profissionais entre os 18 e 30 anos que promove a busca de soluções inovadoras perante os mais diversos desafios da cibersegurança. Os prémios incluem uma bolsa de 10 000 dólares para educação adicional, a participação nos Cannes Lions e um convite para a Cimeira de Analistas de Segurança (SAS - Security Analyst Summit).

 

“Existe uma carência de habilitações a que se deve fazer frente, tanto a indústria como o sistema educativo, se queremos incentivar os jovens a que procurem um trabalho na área. Esta geração está mais próxima da tecnologia do que qualquer outra e rapidamente poderá colocar em cheque o setor, aumentando a ameaça do cibercrime caso lhes sejam fechadas portas e não lhes forneçam oportunidades para brilhar. O seu talento deve ser captado e direcionado para benefício da sociedade”, conclui Eugene Kaspersky.

Para mais informações, consulte por favor o estudo sobre o tema, disponível aqui.

1,378

Colaborações

MindShaker

O que saber sobre desbloquear o telemóvel?

Por MindShaker | 17 julho 2018

THERENT.ZONE

HTC Vive vs Oculus Rift: qual o melhor equipamento de realidade virtual?

Por THERENT.ZONE | 21 março 2018

eMenuk

Sistema de Menu Digital Para Restaurantes

Por eMenuk | 15 março 2017

Surf Map Portugal

Tecnologia no Surf

Por Surf Map Portugal | 07 março 2017

Colunistas

Lauro Lopes

Como fazer captura de ecrã no Android?

Por Lauro Lopes | 08 agosto 2018

close