NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
ONU defende total liberdade no uso das novas tecnologias

ONU defende total liberdade no uso das novas tecnologias

sexta-feira, 06 abril, 2001 /
O uso das novas tecnologias como a Internet deveria ser totalmente livre, afirmou hoje em Genebra o relator sobre liberdade de opinião e de expressão da Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas, Abid Hussain. O uso das novas tecnologias como a Internet deveria ser totalmente livre, afirmou hoje em Genebra o relator sobre liberdade de opinião e de expressão da Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas, Abid Hussain. Em conferência de imprensa, Hussain reconheceu que se produzem abusos na rede em matérias como o sexo, a violência, o racismo ou a religião, mas sublinhou que a solução não está na imposição de restrições a esse meio. "As novas tecnologias e em particular a Internet são democráticas por natureza, oferecem o acesso público e particular às fontes de informação e permitem que todos participem no processo de comunicação", assinalou Hussain. No seu relatório para a Comissão da ONU, o relator especial expressou também a sua preocupação pela "intenção de alguns governos de controlarem ou impedirem o acesso à Internet" e incentivou os Estados a, pelo contrário, "democratizarem o acesso às novas tecnologias para reduzir o abismo tecnológico entre os países desenvolvidos e os outros". O relator indiano fez ainda a defesa da "liberdade de opinião" e destacou o "elevado preço" que pagaram por esse direito jornalistas de vários países do mundo. Segundo Hussain, os atropelos à liberdade de informação não se produzem somente nas ditaduras ou regimes autocráticos mas também acontecem em democracias não liberais. Neste tipo de regime, disse, não se prende ou mata os que pensam de outra forma, mas recorre-se a métodos administrativos para neutralizá-los. Hussain pediu ainda expressamente aos governos que tomem as medidas necessárias para eliminar os obstáculos institucionais e culturais que dificultam o direito das mulheres à liberdade de expressão, incluindo o de receber informação.
3,323