NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Internet / China : Autoridades controlam cibercafés

Internet / China : Autoridades controlam cibercafés

quinta-feira, 01 fevereiro, 2001 /
O Governo chinês lançou uma nova campanha de controlo da Internet, desta vez centrada na instalação obrigatória de programas-filtro nos computadores dos cibercafés do país, foi hoje anunciado. Pequim, 01 Fev (Lusa) - O Governo chinês lançou uma nova campanha de controlo da Internet, desta vez centrada na instalação obrigatória de programas-filtro nos computadores dos cibercafés do país, foi hoje anunciado. Os filtros foram concebidos de forma a bloquearem a entrada em páginas que distribuem o "lixo da rede", o que inclui pornografia e informação não autorizada, assim como endereços onde são permitidas apostas em dinheiro, o que é geralmente ilegal na China, segundo a agência noticiosa estatal Xinhua. "O software de filtragem é capaz de identificar a maior parte das páginas que contêm informação prejudicial", declarou aos media locais Bai Zhi, o responsável policial pela campanha na cidade de Chongqing, no centro do país. Os proprietários dos cibercafés, onde os clientes podem aceder à Internet a preços relativamente baixos, devem pagar entre 7.500 e 13.000 escudos pela instalação obrigatória dos filtros, explicou Bai. A campanha de controlo da Internet inclui também novas medidas contra a pirataria informática. Por outro lado, as autoridades chinesas informaram hoje que o número de utilizadores mais ou menos regulares da rede chegou aos 22,5 milhões em todo o país, apesar de um abrandamento no ritmo de adesão de novos cibernautas durante os últimos meses. Este valor, que revela um forte aumento desde os nove milhões registados no início de 2000, contrasta com os cálculos da empresa independente Audience Measurement Asia, que estima em 15,2 milhões o número de utilizadores de Internet na China. Cerca de 56 por cento dos utilizadores têm uma idade inferior a 24 anos e vivem em cidades, sendo maioritariamente homens (70 por cento), segundo as estatísticas das autoridades chinesas.
2,606