NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
FCCN torna o .PT mais seguro

FCCN torna o .PT mais seguro

quinta-feira, 07 janeiro, 2010 /
FCCN torna o .PT mais seguro FCCN implementa DNSSEC, solução técnica com mecanismos adicionais de segurança para suprir fragilidades, prevenir ataques e reduzir riscos de manipulação A FCCN, Fundação para a Computação Científica Nacional, a entidade que gere o sistema DNS de atribuição de nomes de domínios na Internet sob .PT assinou, nos primeiros dias de 2010 o domínio de topo .PT com recurso à norma DNSSEC, juntando Portugal ao pequeno conjunto de países que já adoptaram esta norma nos seus domínios de topo. A norma DNSSEC consiste em extensões de segurança ao protocolo DNS, introduzindo desta forma mecanismos de segurança que permitem resolver vários dos principais problemas nesta área. O DNSSEC garante respostas DNS assinadas, independência dos algoritmos criptográficos e confiança no serviço, com vista a suprimir fragilidades, prevenir ataques, reduzir o risco de manipulação, prestar um serviço seguro e aumentar a segurança. Entre as vantagens desta norma, destaca-se a autenticação da origem, a integridade dos dados, e a verificação segura da não existência de um domínio ou de registos DNS a ele associados. Além disso, permite evitar intrusões como a corrupção da memória de cache (pharming, phishing,..) e proteger contra transmissões modificadas (spoofing). Numa linguagem simples, o DNSSEC permite garantir aos utilizadores da Internet que o domínio a que estão a aceder está assinado digitalmente e não foi alvo de adulteração por terceiros, desde que disponham de um programa que verifique esta assinatura digital. O .PT é, assim, um dos primeiros códigos de domínios de topo para países (ccTLD - country code Top Level Domais) a utilizar esta nova tecnologia, sendo que já desde Setembro de 2009 a FCCN havia já assinado, a título experimental, alguns nomes de domínio de segundo nível da sua responsabilidade: fccn.pt, dns.pt, cert.pt, zappiens.pt, rcts.pt e dnssec.pt, como anunciado na altura e que levou a que algumas entidades o tenham feito já também, como as Universidades e entidades Registrars da FCCN. O sucesso da implementação desta solução técnica está também dependente da intervenção activa por parte da comunidade Internet nacional. A FCCN apela a todos os titulares para aderirem, em especial os titulares de nomes de domínio críticos (entidades judiciais, banca), fornecedores de serviços de Internet (ISPs) e Agentes de Registo, e disponibiliza o apoio técnico necessário para esse efeito. Para mais informações, foi criada uma plataforma de testes e de respostas a questões frequentes em www.dnssec.pt.
2,475