NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
E se os óculos inteligentes ajudassem pessoas com visão limitada a ver melhor?

E se os óculos inteligentes ajudassem pessoas com visão limitada a ver melhor?

domingo, 03 novembro, 2013 /
E se os óculos inteligentes ajudassem pessoas com visão limitada a ver melhor?

Stephen Hicks é um investigador no Reino Unido que está a desenvolver óculos inteligentes capazes de facilitar a vida a utilizadores com um campo de visão limitado

As novas tecnologias não se limitam a evoluir a um ritmo frenético, e com elas tem vindo a evoluir também a sua utilidade e potencial em ajudar aqueles que mais precisam. No caso dos wearable devices, um segmento de mercado popularizado por dispositivos como o Samsung Galaxy Gear ou os Google Glass, as potencialidades parecem ser imensas.

Na Universidade de Oxford, por exemplo, um investigador encontra-se a desenvolver um novo par de óculos inteligentes direccionado para utilizadores com visão limitada e capazes de converter a informação visual que conseguem captar em imagens "compatíveis" com os seus olhos. Por outras palavras, ajudam quem não vê bem a conseguir ver.

Veja melhor: Skully, os Google Glass dos capacetes para motociclistas (vídeo)

E se os óculos inteligentes ajudassem pessoas com visão limitada a ver?

Veja melhor: Recon Jet, um concorrente desconhecido dos Google Glass

Isto é possível através da utilização de uma câmara e de um projector infravermelho que consegue ler distâncias e informações obtidas através de um girscópio embutido, de uma bússula e de um sistema de GPS - tecnologias também presentes em smartphones. As imagens são depois projectadas para um ecrã OLED transparente, que sobrepõe cores de elevado contraste por cima daquilo que os utilizadores deveriam estar a observar.

As probabilidades deste projecto se vir a tornar uma realidade também são elevadas, uma vez que foi vencedor do Prémio para Inovação Brian Mercer, atribuído pela Royal Society.

3,020