NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
DuckDuckGo conquista adeptos da privacidade e triplica pesquisas diárias

DuckDuckGo conquista adeptos da privacidade e triplica pesquisas diárias

segunda-feira, 19 janeiro, 2015 /
DuckDuckGo conquista adeptos da privacidade e triplica pesquisas diárias

Este motor de busca afirma não rastrear nem monitorizar as pesquisas feitas pelos seus utilizadores

*Artigo publicado também no iOnline


Chama-se DuckDuckGo e é um motor de busca que promove a privacidade dos seus utilizadores. Seria de pensar que, esta não fosse uma contrapartida capaz de garantir o seu crescimento, especialmente num segmento claramente monipolizado pela Google. Os mais recentes dados da DuckDuckGo parecem contrariar isto.

A empresa faz questão de afirmar que não partilha os resultados de busca dos seus utilizadores com outros websites, não armazena históricos de pesquisa e não fornece informações sobre a localização ou as máquinas utilizadas pelos seus utilizadores. Medidas que são formas que outros motores de busca, incluindo o da Google, rentabilizarem a sua presença online (através da exibição de publicidade) e garantirem assim a continuidade dos seus serviços.

Graças a dois acordos-chave realizados em 2014 (um com a Apple e outro com a Mozilla), a empresa foi capaz de terminar em grande um ano maioritariamente pautado por resultados humildes - cerca de 8 milhões de pesquisas diárias, o dobro do número de pesquisas realizadas no fim do ano anterior.


Este aumento abrupto no número de pesquisas realizadas no DuckDuckGo teve início em Setembro, quando a Apple começou a utilizá-lo como opção de busca no Safari para iOS e OS X, e em Novembro, quando a Mozilla também o acrescentou (enquanto opção) ao FireFox.

« O DuckDuckGo aumentou significativamente a sua base de utilizadores a partir destas duas integrações », refere o CEO Gabriel Weinberg, que lançou a empresa em 2008, em declarações à Quartz. « Apesar da quantidade não ser precisa, já que nós não rastreamos as pessoas ».

Durante os primeiros oito meses de 2014, o crescimento mensal médio para as pesquisas realizadas na plataforma era de 3,5%. Essa média passou a ser de 10,2% nos últimos quatro meses do ano - aproximadamente o triplo da percentagem registada anteriormente. 


2,757