NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Cryptomalware: um ataque pode custar em​ média​ 90 mil euros​ a uma PME

Cryptomalware: um ataque pode custar em​ média​ 90 mil euros​ a uma PME

sábado, 24 setembro, 2016 /
Cryptomalware: um ataque pode custar em​ média​ 90 mil euros​ a uma PME

Hackers não garantem devolução da informação empresarial, ainda assim 34% dos empresários admitem pagar-lhes.

 

*Está a ler um comunicado de imprensa

Um ataque de cryptomalware pode custar em media $99.000 a uma PME, o equivalente a cerca de 88.100€. Esta é uma das conclusões do estudo Riscos de Segurança em Empresas de TI 2016*, levado a cabo pela Kaspersky Lab, que mostra ainda que, apesar de os hackers não assegurarem devolução da informação roubada, 34% dos inquiridos admite que pagaria para os ter de volta.

De acordo com a investigação sobre Riscos de Segurança em Empresas de TI em 2016, mais de 30% dos representantes de pequenas e médias empresas reportaram a perda de quantidades significativas de informação devido ao cryptomalware.

 

A forma de avaliar o prejuízo final causado esta ameaça resulta da combinação de vários fatores: a suspensão total ou parcial de operações (processos internos da empresa, transações financeiras, etc.), a perda de informação valiosa (documentos financeiros ou sobre projetos, bases de dados de parceiros ou clientes, etc.) e os riscos de reputação, entre outros.

Deve então considerar-se o prejuízo em duas partes: o resgate e as perdas relacionadas. A quantidade de perdas relacionadas é, em grande parte, afetada pelas falhas no sistema de prevenção dos funcionários de TI (sistemas mal administrados; backups ultrapassados ou em falta; passwords inseguras/falíveis; atualização irregular de software, etc.).

 

"Como se pode ver, quase um terço das PMEs ainda acredita que pagar o resgate é a melhor forma de recuperar os seus dados. Mas a verdade é que os danos totais acabam por ser bem maiores e não há garantia de que a informação em causa seja devolvida. Uma vez que os hackers estão a canalizar esforços para fazer dinheiro através do cryptomalware, as pequenas e médias empresas devem implementar medidas preventivas para minimizar o risco de serem vítimas. Para melhorar a eficácia da sua proteção contra ciberameaças, recomendamos às PMEs o uso de soluções especializadas e de tecnologia avançada”, comenta Alfonso Ramírez, Diretor Geral da Kasperksy Lab Iberia.

 

Perante a ameaça crescente de ciberameaças, as PMEs podem proteger-se com as soluções para empresas Kaspersky Endpoint Security, que integram produtos para ameaças já conhecidas e emergentes, incluindo cryptomalware.

Se uma empresa não estava devidamente preparada a as suas informações de negócio foram encriptadas, os especialistas da Kaspersky Lab recomendam verificar se estas informações conseguem ser recuperadas com o auxílio de ferramentas gratuitas e chaves de desencriptação.

 

1,921