NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Códigos de Barras 2D

Códigos de Barras 2D

terça-feira, 06 janeiro, 2009 /
O código de barras, o mais velho símbolo da sociedade de consumo, ganha expressão e nova dimensão através dos telemóveis. Impresso em outdoors, t-shirts, cartões de visita, tecidos, ecrán de computador, anúncios publicitários ou embalagens, o código é capaz de armazenar 7 mil caracteres de informação, incluindo músicas, imagens, endereços de internet e de e-mails. Basta que o código seja fotografado para que seu conteúdo seja "lido" pelo browser do telemóvel. O código a ser fotografado pode estar impresso em qualquer lugar e as possibilidades são infinitas no quer no âmbito comercial quer publicitário. Também é possível comprar bilhetes de espectáculos desde que com a informação esteja impresso um código de barras no espaço publicitário do evento, indoors ou outdoors. É no Japão que o Qr Code está amplamente difundido de forma obsessiva.Quase metade da população japonesa já acedeu a conteúdos por meio do código de barras. A título de curiosidade, um pouco mórbida, o uso no Japão é tão generalizado que até os túmulos já permitem aceder a informação sobre o morto. Fora do Japão, mais precisamente em Inglaterra, comprar filmes em Dvd através do código de barras é ter acesso ao trailler do filme e compra imediata através do telemóvel. Em Paris, os códigos foram espalhados nas paragens dos autocarros e permitem aceder as informações sobre os horários e trajectos. Num museu de Viena, algumas placas para identificação de obras também ganharam códigos, permitindo aos interessados obter mais informações telemóvel. Como se disse, tudo à distância de um clique!
3,461