NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Alunos do IST venceram Prémio Engenheiro Jaime Filipe 2003

Alunos do IST venceram Prémio Engenheiro Jaime Filipe 2003

quinta-feira, 01 abril, 2004 /
O trabalho consistiu na criação de um interface táctil multimodal e multiusos que permite a utilizadores com problemas visuais introduzir texto num PDA. Este trabalho venceu o Prémio Engenheiro Jaime Filipe 2003, galardão promovido pelo Instituto de Solidariedade e Segurança Social (ISSS) que será entregue no dia 22 de Abril e cujo o objectivo é distinguir projectos que visam promover o aumento da autonomia de pessoas em situação de dependência O trabalho científico denomina-se "3GM-INSIGHT - Interface táctil para a introdução de texto num PDA, para utilizadores portadores de deficiências visuais" e pretende dar resposta aos cerca de 135 mil portugueses que sofrem deste tipo de deficiência, numa época em que se assiste ao uso generalizado de dispositivos portáteis. O PDA tem se tornado uma aparelho cada vez mais acessível aos cidadãos, mas a sua utilização é muito difícil, ou mesmo impossível, para pessoas com necessidades especiais, mesmo considerando que o seu acesso é um factor de qualidade de vida a que todos devem ter direito. Os dois investigadores trabalharam com formandos da Fundação Raquel e Martin Sain, tendo chegado à conclusão que a grande maioria dos cegos e amblíopes que usam o telemóvel o faz com alguma dificuldade, sendo particularmente complicado, ou mesmo impossível, a introdução de texto nestes aparelhos, indispensável para enviar SMS ou mensagens de texto. Esta dificuldade deve-se principalmente à falta de retorno (auditivo e táctil) apropriado dos aparelhos ou aplicações. Além disso, constataram que principalmente nos últimos tempos foram criados serviços comerciais apenas acessíveis através mensagens escritas, tornando o problema mais gravoso. Considerando que as SMS apresentam diversas vantagens em relação a uma chamada telefónica, nomeadamente serem mais económicas e poderem tornar a comunicação mais concisa, permitem ainda uma melhor gestão de recusas cognitivas e do tempo de resposta do utilizador entre outros factores. Como a fala não pode ser a única forma de comunicação, os dois alunos do IST desenvolveram o 3GM, cuja a interface final surgiu de um estudo realizado a cinco interfaces distintas, onde a diferença foi o número de teclas usadas para a selecção de letras. Este utiliza a síntese de fala para proporcionar o retorno das acções do utilizador e do estado do sistema. Também desenvolveram dois teclados especiais que fazem uso de algoritmos de predição, usando modelos de Markov, e que permitem antecipar o caracter e/ou a palavra seguintes pretendidos pelo utilizador, e desta forma agilizar a entrada de texto, aumentando a velocidade de escrita. O 3GM agora premiado é uma interface de fácil aprendizagem, que responde às necessidades de um grupo específico e especial da população portuguesa e representa um claro avanço em relação à tecnologia actual. sendo flexível o suficiente para poder ser configurado para ser usado noutras línguas. O trabalho de investigação do 3GM permite aos utilizadores gozarem de uma autonomia que até agora não usufruíram, dispensando a ajuda de terceiros para ler mensagens recebidas e para as enviar. Para tal foram concebidas três versões do Manual do Utilizador, uma em formato electrónico para ser lido em computador através de um sintetizador, outra versão em Braille e uma terceira em Áudio CD. O 3GM foi desenhado para ser usado num número alargado de produtos electrónicos, encontrando-se na forja produtos de navegação GPS para que estes utilizadores se possam deslocar de forma autónoma para locais, mesmo que desconhecidos, e ainda a criação de agendas electrónicas. Este trabalho já tinha sido galardoado com o prémio Fujitsu-Siemens, outorgado por aquela empresa no passado dia 12 de Março durante a XI Semana da Informática, que decorreu no IST. O novo software concebido pela dupla de alunos do IST já está em fase de registo de patente como um produto junto do Gabinete de Apoio ao Licenciamento de Tecnologia, em cooperação com o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O IST faz parte da Universidade Técnica de Lisboa e é considerado um dos mais prestigiados estabelecimentos de ensino superior do país, formando técnicos altamente qualificados nas áreas de Engenharia, Ciência e Tecnologia.
3,218