NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Ainda a questão da rede sem telemóveis

Ainda a questão da rede sem telemóveis

domingo, 18 novembro, 2001 /
A Vodafone já avisou que vão faltar telemóveis 3G, mesmo depois do sistema estar disponível a todos os clientes. O Telemoveis.com já tinha dado conta da hipotética falta de telemóveis de terceira geração, quando fosse definitivamente disponibilizada a rede UMTS. A Hutchinson, a contar com essa negra perspectiva, encomendou um milhão de aparelhos ao fabricante japonês NEC. Ou seja, aviou-se em terra. A Vodafone parece ir para o alto mar sem tomar as mesmas precauções.

Tal como aconteceu no lançamento da Playstation 2 nos Estados Unidos, onde as consolas foram todas vendidas e não havia jogos para todos, também o mesmo vai acontecer no segmento das telecomunicações. É que os telemóveis 3G vão chegar, muito provavelmente, bem depois de estar operacional o sistema UMTS em toda a Europa.

Segundo as previsões da Vodafone, a procura do novo tipo de aparelhos só irá ser satisfeita em meados de 2003, precisamente um ano depois do lançamento da rede. De que serve, então, rede sem telemóveis? Na verdade, a pergunta não tem resposta porque este argumento é o mais "pesado" na balança do tempo para a entrada em vigor do novo sistema UMTS.

Mesmo o gigante britânico das telecomunicações móveis planeia começar com a fase experimental do UMTS entre Junho e Setembro do próximo ano, com o lançamento oficial agendado para Outubro seguinte. Mas, ao contrário da DoCoMo - que disponibilizou a nova tecnologia a todos os seus clientes na zona de Tóquio - a Vodafone vai apontar o segmento executivo como alvo da sua campanha 3G.

Entretanto, na conferência de imprensa onde apresentou os "números" da empresa no primeiro semestre deste ano, Sir Christopher Gent, director-geral da Vodafone, aproveitou para pedir ao governo de Tony Blair para ponderar a hipótese de aumentar o tempo das licenças concedidas para 20 anos. "Aceitamos os moldes em que foram atribuidas as licenças no Reino Unido, mas seria bom se o Governo olhasse bem para essa possibilidade", afirmou.

3,174