NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Sonaecom lucra 18 milhões

Sonaecom lucra 18 milhões

terça-feira, 01 março, 2005 /
2004 foi o primeiro ano sem prejuízos. Analistas contactados pela agência Lusa esperavam um lucro de 16,8 milhões de euros, segundo a média das estimativas.

Este resultado ultrapassa também a previsão da empresa para o resultado líquido anual. No final do primeiro semestre de 2004, altura em que a Sonaecom apresentou lucros pela primeira vez na sua história, a empresa previa terminar o ano com um resultado líquido de 10 milhões de euros.

O volume de negócios subiu 5% para 880 milhões de euros em 2004, com as receitas da Optimus a crescer 4% para 660 milhões de euros e a facturação da Novis a subir 20% para 183 milhões de euros.

A Sonaecom justifica o crescimento moderado das receitas no sector móvel com o já elevado nível de penetração do mercado e do atraso no UMTS.

Na rede fixa, a Novis beneficiou da compra da KPN Qwest no final de Abril e do crescimento do negócio grossista.

As receitas do negócio de voz de acesso indirecto (a empresa usa a rede da Portugal Telecom para chegar a casa do cliente) caíram pelo facto da operadora ter decidido apostar na sua própria rede. O crescimento do tráfego de acesso directo foi positivo mas não o suficiente para compensar a perda de receitas do acesso indirecto, explica a empresa.

As receitas de Internet também caíram, prejudicadas pelo facto do Clix ter cancelado no início do ano a sua oferta de banda larga (acesso à Internet em alta velocidade) e apenas ter voltado ao mercado em Novembro.

Na área de média, as vendas do «Público» subiram 6% para 55,49 milhões de euros, mas registou-se uma quebra dos níveis de circulação do jornal, que a empresa explica pela menor venda de produtos associados.

As receitas da Sonaecom ficaram ligeiram aquém da média das estimativas dos analistas, de 889 milhões de euros. O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) cresceu 38% para 201 milhões de euros, com todas as empresas do grupo a apresentar valores positivos à excepção do Clix. Os analistas esperavam um EBITDA de 202 milhões de euros no período.

A Novis apresentou um EBITDA positivo pela primeira vez para o ano completo de 7 milhões de euros, com a KPN Qwest a contribuir 2 milhões de euros, enquanto a Optimus obteve um EBITDA de 190 milhões de euros. O Clix agravou o EBITDA de 1,9 milhões de euros negativos em 2003 para 3,1 milhões de euros negativos no ano passado.
3,035