NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Pessoas reais também têm de saber gerir crises nas Redes Sociais

Pessoas reais também têm de saber gerir crises nas Redes Sociais

segunda, 18 maio, 2015 /
Pessoas reais também têm de saber gerir crises nas Redes Sociais

Quais são as regras a seguir para gerir uma crise pessoal?


As marcas têm crises nas Redes Sociais, todos sabemos disso. Existe todo um conjunto de regras a seguir quando uma delas acontece e existem boas e más maneiras de as gerir. Raramente se esquecem e tornam-se maus exemplos nas apresentações de Social Media por todo esse mundo fora.

Mas nem só as marcas estão presentes nas Redes sociais. Hoje em dia, pessoas reais, desconhecidas, também passam por crises nas Redes Sociais e é preciso saber gerir muito bem, porque rapidamente um pequeno comentário/Opinião ou filme passa a ser notícia em todos os canais de televisão, em todos os jornais do país e - o pior - passa a ser viral por toda a internet, onde todas as pessoas podem ver em casa, no emprego, no autocarro…por todo o lado. Em forma de uma simples partilha.

E não, pensar que “isto nunca me vai acontecer!” não dá um cartão mágico que impede o mundo de se virar contra uma pessoa.

Pessoas reais também têm de saber gerir crises nas Redes Sociais


Quais são as regras a seguir para gerir uma crise pessoal?

Dizer a verdade e pedir desculpa, se for caso disso. Assumir a culpa (caso a tenha) é meio caminho andado para resolver a situação. Não dizer nada e deixar andar vai permitir um crescendo do tema, chegando ao nível do incontrolável.
Não se achar o dono da razão. Ninguém é o dono total da razão, mesmo que a tenha. Todas as pessoas tem direito a dar a sua opinião. Ouvir e ler coisas que não se gosta não é motivo para atacar em todas as direções.
Não apagar o post. Uma vez na internet, para sempre na internet. Apagar o post é dar uma desculpa para se falar dele. Quem não viu, vai querer ver e quem viu vai querer falar dele.


Não apagar a conta. Apagar a conta é como fugir à polícia em pânico, mesmo que não tenha culpa nenhuma. Apagar a conta é dizer que não quer saber do que estão a falar e os “haters” gostam muito disso. A nossa conta é o primeiro veículo para a redenção, apagá-la é perder a hipótese de se desculpar ou explicar a situação rapidamente.
Não responder a comentários de maneira hostil. Podem responder a todos os comentários, mas sempre de uma maneira educada, honesta e sincera. Responder a comentários utilizando uma linguagem obscena é dar conteúdo para continuarem a falar do tema, ou seja, de ti mesmo.
• Não se comparar com divindades ou com outras pessoas que passaram pelo mesmo. Cada caso é um caso e resolver-se comparando com uma situação parecida é dar elementos para prolongar a discussão. “Eles também fizeram!”, “Nem Jesus Cristo agradou a todos!”, não ajuda ninguém.


Mesmo seguindo estas regras, ninguém vai conseguir controlar tudo. É por isso que chega um momento na gestão de uma crise pessoal, depois de explicar a situação de maneira honesta, em que o melhor a fazer é desligar o computador, o telemóvel, a televisão e dar um passeio pelo parque. À velocidade a que o mundo corre, o que hoje é tema amanhã já toda a gente se esqueceu.

E nunca te esqueças de uma das regras mais importantes do Social Media:

Vai sempre haver um vídeo novo de um gatinho muito fofinho que toda a gente vai querer partilhar, fazendo esquecer tudo o resto.


4,184