NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
O aroma da PT

O aroma da PT

sexta-feira, 06 junho, 2003 /
O aroma da PT As novas lojas da PT Comunicações vão ter um odor próprio. É o marketing aromático dá os primeiros passos em Portugal. O presidente da PT Comunicações (PTC) declarou que a sua empresa deverá ter um obsessão pelo cliente. Pelo menos deverá ser essa a base da revolução que pretende levar a cabo na companhia da rede fixa do grupo Portugal Telecom, ou como o próprio afirmou, implementar a «reinvenção da rede fixa». Até aqui nada de novo. A forma como tal missão vai ser cumprida é que pode suscitar algum interesse, desde já pelas medidas anunciadas pelos responsáveis da PTC.

Para além da apresentação de um novo serviço ao dia 12 de cada mês, incluídas na nova política de ofertas comerciais da PTC, há todo um novo conceito de rede fixa do qual se pode tirar proveito, assim como implementar um novo conceito de loja. E é aqui que entra a novidade do «aroma PT», anunciado por Vasconcellos Cruz, uma vez que o marketing aromático conseguiu comprovar que os cheiros podem, realmente, fidelizar clientes.

O presidente da PT Comunicações quer que a empresa que dirige seja a melhor na relação com o cliente, quer residencial (em que o telefone de rede fixa terá de deixar de ser encarado como um mero aparelho ligado à parede), quer empresarial (em que o desejo da PTC é que seja vista cada vez menos como uma companhia tecnológica e mais como um parceiro de negócios).

Apesar de terem uma quota de mercado de 90% no universo da rede fixa, o certo é que, quando inseridos no panorama global das chamada de voz (fixo e móvel), a quota desce para menos de metade, com cerca de 43%. Eventualmente, alega o responsável máximo pela PTC, por um desconhecimento dos clientes de que é bem mais barato comunicar por rede fixa do que por rede móvel.
3,005