NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Investir na Telecel a longo prazo

Investir na Telecel a longo prazo

sexta-feira, 19 fevereiro, 1999 /
Investir na Telecel a longo prazo Goldman afirma que desaceleração no número de clientes vai aumentar lucros. A Telecel é uma boa aplicação a longo prazo. A opinião é da Goldman Sachs, que prevê um aumento dos lucros em resultado de um crescimento mais lento da carteira de clientes. No entanto, a curto prazo, os investidores vão reagir negativamente. Num estudo sobre as acções da operadora de telemóveis, a casa de análise é da opinião de que se torna mais rentável vender minutos de conversação do que aumentar a carteira de clientes. Aliás, um crescimento mais lento da quantidade de clientes aumentará as margens à empresa - mais minutos por cliente. Mas como a primeira reacção dos investidores pode ser negativa, as acções serão, para já, penalizadas. "O mercado estava demasiado habituado a um crescimento das subscrições acima das expectativas." (...) No entanto, um abrandamento do crescimento de clientes demasiado rápido pode trazer alguns perigos ao mercado: "A Optimus - o terceiro operador de telemóveis - poderá agudizar a guerra de preços para conquistar quota à Telecel e à TMN." Como a Telecel tem uma reputação de "seguidora de tarifas" em vez de "líder de tarifas", os resultados também poderão ser afectados, no caso de a operadora manter a sua estratégia de mercado. Na Bolsa de Lisboa, as acções têm tido um comportamento negativo, sobretudo desde finais de Janeiro, quando a operadora divulgou lucros e carteira de clientes inferiores aos da concorrência. Desde então, a cotação já caiu 17 % para os 169,30 euros (33 941 escudos), desviando-se negativamente do comportamento dos índices de referência da praça (BVL-30 e PSI-20). Para a Goldman Sachs, tal até pode ser positivo: "As acções transaccionam-se com desconto e tornam-se atractivas." Concluindo, os analistas recomendam os papéis para quem investe a um horizonte superior a 18 meses. Por Ricardo Salvo
2,616