NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
ICP designado pelos reguladores europeus de telecomunicações como responsável pelo projecto IRGIS.

ICP designado pelos reguladores europeus de telecomunicações como responsável pelo projecto IRGIS.

segunda-feira, 29 março, 1999 /
O ICP foi como responsável pela gestão on-line de toda a informação pública sobre a regulação em telecomunicações no espaço da União Europeia e da EFTA (Suiça, Noruega e Islândia). O Instituto das Comunicações de Portugal (ICP) foi designado, na passada sexta-feira, pelo Independent Regulators Group (IRG) - organismo que integra 18 reguladores europeus de telecomunicações - como responsável pela gestão on-line de toda a informação pública sobre a regulação em telecomunicações no espaço da União Europeia e da EFTA (Suiça, Noruega e Islândia). Este projecto, baptizado de IRGIS, traduz-se na coordenação e desenvolvimento,com base no site do ICP na Internet, de um catálogo com toda a informação relativa ao mercado e à regulação das telecomunicações na Europa. A informação disponível será actualizada numa base semanal. Um potente motor de pesquisa no servidor do ICP, permitirá o acesso on-line a um vasto conjunto de informação disponível nos sites de cada um destes organismos reguladores. Assim, publicações, informação estatística, legislação, licenças e listas de operadores, informação para consumidores, etc., de cada país, estarão facilmente acessíveis a partir de um único ponto de pesquisa, sediado no servidor do ICP. Esta nova responsabilidade, atribuída por unanimidade pelos membros do IRG, vem reconhecer o esforço desenvolvido pelo Instituto na divulgação e disseminação, através do seu site, de informação com utilidade para operadores e consumidores, representando ao mesmo tempo uma avaliação muito positiva relativamente ao intenso trabalho de cooperação intra-comunitária no que respeita à regulação do sector das telecomunicações.
2,797