NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Está à procura de emprego? Arrisque mais no Facebook, Twitter ou LinkedIn

Está à procura de emprego? Arrisque mais no Facebook, Twitter ou LinkedIn

sexta-feira, 13 setembro, 2013 /
Está à procura de emprego? Arrisque mais no Facebook, Twitter ou LinkedIn

Os candidatos a emprego contratados através de redes sociais como o Facebook, Twitter ou LinkedIn permanecem empregados por mais tempo, segundo estudo

Encontra-se actualmente à procura de emprego? Se a resposta for positiva, saiba que pode obter resultados positivos através de redes sociais como o Facebook, Twitter ou LinkedIn. Estas plataformas começam a ser cada vez mais aproveitadas pelas entidades empregadoras na busca e avaliação de potenciais candidatos.

E se o "social" ainda não é tão significativo no mercado de trabalho português, mesmo já se começando a fazer sentir, nos EUA parece ser uma tendência cada vez mais dominante. Quer saber o motivo? Porque tanto o candidato como a entidade empregadora saem a ganhar.

De acordo com um estudo divulgado recentemente pela Jobvite, via Mashable, o recrutamento social não só oferece vantagens como o aumento das probabilidades de contratação, mas também apresenta uma média de tempo de contratação superior à da clássica resposta de anúncios classificados. Em média, e de acordo com o infográfico da Jobvite, os candidatos a emprego permanecem nos seus cargos por períodos superiores a três anos.

Mas não são só os candidatos a emprego que reconhecem vantagens nas redes sociais. Também as entidades empregadoras admitiram ter sentido um aumento quantitativo e qualitativo nos seus candidados, o que em parte explicaria o porquê de 94% das empresas norte-americanas inquiridas pela Jobite estarem a considerar apostar mais no recrutamento social até ao fim do ano.

Está à procura de emprego? Arrisque mais no Facebook, Twitter ou LinkedIn

3,885