NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
BitTorrent adopta nova postura em 2013

BitTorrent adopta nova postura em 2013

terça-feira, 04 dezembro, 2012 /
BitTorrent adopta nova postura em 2013

BitTorrent vai adoptar nova postura em 2013, segundo director de marketing da empresa, que pretende aliar-se à indústria do entretenimento.

O popularíssimo serviço BitTorrent promete surpreender em 2013, de acordo com o Director de Marketing da empresa, Matt Mason. A empresa, mais conhecida pelo seu popular serviço de partilha de ficheiros, refere estar a planear 'alinhar-se com a indústria do entretenimento de forma a distribuir legalmente filmes, música e livros online'.

A ideia deverá passar por provar às grandes empresas ligadas à indústria do entretenimento de que o BitTorrent pode fazer mais do que disponibilizar downloads gratuitos ao oferecer potencial para gerar mais vendas. A empresa conta actualmente com mais de 40 milhões de utilizadores activos diariamente, ultrapassando inclusive os números de serviços populares como o NetFlix ou o Hulu. Para o director de marketing do BitTorrent, faz mais sentido que as grandes empresas pensem no seu serviço como um 'parceiro' ao invés de um concorrente, embora admita que ainda existe algum preconceito: É um desafio constante. As pessoas nem sequer sabem que somos uma empresa. Acham que somos dois adolescentes numa cave na Suécia, refere.

BitTorrent adopta nova postura em 2013

O desafio em si deverá consistir numa transição do serviço que conhecemos actualmente para o serviço que Mason idealiza, o que provavelmente irá implicar cortes nos downloads ilegais de filmes e música. Para Mason, este corte será uma enorme vitória para a empresa: A forma de resolvermos o problema da entrega de conteúdo e sairmos do caminho do conteúdo, refere.

Poderão ser boas notícias para alguns utilizadores, embora ainda seja necessário especificar em que moldes poderia funcionar uma parceria como a que Mason idealiza. Uma coisa é certa: o consumo de conteúdos na Internet está a evoluir para soluções pagas e a grande forma de cativar os utilizadores é aliar o melhor dos dois mundos a uma lógica de negócio que seja user-friendly. Isso passaria por facilitar o acesso aos conteúdos e por torná-los acessíveis para todos os utilizadores. O que acham os leitores? Como acham que funcionaria? Deixem-nos o vosso feedback!

2,303