NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
As redes sociais não o deixam stressado. Talvez os seus amigos sim

As redes sociais não o deixam stressado. Talvez os seus amigos sim

sexta-feira, 16 janeiro, 2015 /
As redes sociais não o deixam stressado. Talvez os seus amigos sim

Os estudos sobre o impacto real das redes sociais na vida dos seus utilizadores ainda não passaram de moda

 

 


A correlacção entre a utilização excessiva das redes sociais e os níveis elevados de stress e ansiedade dos seus utilizadores pode estar sujeita a uma nova perspectiva, de acordo com um estudo realizado pelo PRC (Pew Research Center), que culpa não as plataformas sociais em si, mas os seus amigos. Sim, leu bem - os seus amigos.

O PRC descobriu que a utilização frequente da Internet e das redes sociais não conduz a níveis de stress mais elevados na vida das pessoas. Contudo, a consciência de eventos particularmente stressantes nas vidas dos outros pode ser uma fonte de stress em plataformas como o Facebook ou o Twitter.

A lógica por detrás destas conclusões implica que é a consciência dos aspectos menos positivos nas vidas alheias que contribui para aumentar os níveis de stress nos utilizadores.


Estas conclusões, curiosamente, contrariam o senso comum de que as redes sociais contribuem directamente para aumentar o stress dos seus utilizadores.

Análises realizadas anteriormente permitiram concluir, por exemplo, que as redes sociais podem ser óptimas formas de acabar com amizades. O que suponho que tenha o seu quê de stressante. Mas isto não significa que as redes sociais sejam as responsáveis.

Mesmo os estudos que afirmam haver uma relação entre a infelicidade e a utilização excessiva das redes sociais não parecem ser magnânimes em afirmar que as redes sociais sejam a causa dessa infelicidade. De facto, há estudos que sugerem que é a infelicidade que causa a utilização excessiva das redes sociais.


Em relação a este último aspecto, este estudo mais recente - aquele que culpa os seus amigos (e quem sabe até o próprio leitor) - consegue entrar em concordância com a opinião geral, partilhada especialmente pelos adolescentes que acham o Facebook já muito ultrapassado, de que há demasiado drama na rede social de Mark Zuckerberg.

Pelo menos podemos estar todos de acordo numa coisa - a não convivência diária com dramas e negatividade é muito bem-vinda para mantermos um mínimo de boa disposição.


4,151