NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Metade dos portugueses usa Internet mobile - refere estudo

Metade dos portugueses usa Internet mobile - refere estudo

quarta, 02 dezembro, 2009 /
Metade dos portugueses usa Internet mobile - refere estudo Metade dos portugueses acedem à internet mobile, do total de inquiridos que afirma usar a Internet a partir de dispositivos móveis, 84 por cento acede recorrendo a um computador portátil e 23,5 por cento através de telemóvel ou PDA, segundo um estudo do Observatório de Comunicação (Obercom) a que a Lusa teve acesso. O correio electrónico, as mensagens instantâneas e a procura de notícias são os serviços mais usados pelos portugueses que acedem à Internet. O uso da Internet tem vindo a crescer nos últimos anos em todo o mundo e Portugal não é excepção, passando de uma taxa de 29 por cento em 2003 para 38,9 por cento em 2009.

Segundo o estudo da Obercom que estará disponível quinta-feira, a Internet veio aumentar os contactos sociais dos utilizadores: 58,9 por cento dos internautas considera que o seu uso aumentou o seu contacto com os amigos e 41,3 por cento com a família

Na verdade, a Internet é muito usada para a troca de e-mails, para conversas em serviços de mensagens electrónicas (MSN ou Sapo Messenger) e só depois, em terceiro lugar, surge o seu uso para procurar notícias.

De acordo com o estudo, o serviço de correio electrónico mais popular em Portugal é o Hotmail, utilizado por cerca de dois terços dos internautas, seguido pelo Gmail (29,5 por cento).

Além do correio electrónico, novas formas de comunicar on-line têm-se vindo a afirmar nos últimos anos, nomeadamente os serviços de mensagens instantâneas, utilizados por 74,5 por cento dos internautas assim como os sites de redes sociais visitados por 52 por cento dos utilizadores da Internet.

O MSN é o preferido de 65,6 por cento dos internautas portugueses no que respeita a utilização de serviços de mensagens instantâneas, logo seguido do Sapo Messenger, especialmente usado pelos mais jovens.

Ao nível das redes sociais, o estudo revela que 52 por cento dos internautas utiliza este serviço e destes 47,8 por cento tem um perfil criado no HI5, uma rede essencialmente usada por adolescentes e jovens universitários.

Já no que respeita ao Facebook, o estudo indica tratar-se de uma rede vocacionada para os adultos e jovens adultos, totalizando 56,7 por cento de utilizadores com idades entre os 19 e 34 anos.

A rede de origem brasileira Orkut tem também uma expressão considerável em Portugal (10,9 por cento).

Os membros do Orkut e do Facebook estão na sua maioria concentrados na zona de Lisboa enquanto os do HI5 revelam uma distribuição pelas várias regiões de Portugal, com destaque especial para a região da grande Lisboa e Norte Litoral.

Em termos de procura de informação, a busca de notícias on-line é a actividade mais difundida no âmbito das práticas de Internet dos portugueses, sendo que quase um terço realiza esta actividade diariamente.
O recurso à Wikipédia como fonte de informação é também considerado notável uma vez que perto de um quarto dos internautas usa essa ferramenta pelo menos uma vez por semana.

O estudo indica ainda que o portal Google surge como o mais popular, tendo sido visitado desde o início de 2009 por 87,4 por cento dos utilizadores da Internet, seguido do Sapo, visitado por cerca de dois terços dos internautas.

Em comparação com os restantes media e fontes de informação, a Internet surge como meio privilegiado para a procura de informação em geral, sendo considerada como "importante" ou "muito importante" por 79,2 por cento dos internautas, seguida pelas fontes interpessoais e pela televisão.

Em oposição, 24 por cento dos inquiridos considera os blogues pouco ou nada importantes como fontes de informação, assim como 28,7 por cento acha o mesmo em relação aos sites do governo.

Mais de metade dos utilizadores acede à rede através de dispositivos móveis.

Esta tendência é particularmente marcada no caso dos homens: 56,7 por cento acede via dispositivos móveis contra 48,8 por cento das mulheres.

Do total de inquiridos que afirma usar a Internet a partir de dispositivos móveis, 84 por cento acede recorrendo a um computador portátil e 23,5 por cento através de telemóvel ou PDA.
4,402