NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Chegou a altura de os Estados-Membros porem as regras da televisão em sintonia com a era digital

Chegou a altura de os Estados-Membros porem as regras da televisão em sintonia com a era digital

segunda-feira, 21 dezembro, 2009 /
Chegou a altura de os Estados-Membros porem as regras da televisão em sintonia com a era digital Dois anos após a adopção das regras de modernização da televisão na UE ( IP/07/1809 ), que suprimem restrições desactualizadas à televisão digital através da Internet, ao vídeo a pedido e à televisão móvel, apenas três países - Bélgica, Roménia e Eslováquia - notificaram oficialmente à Comissão Europeia as medidas que as põem em vigor, como a legislação da UE exige. A Directiva Serviços de Comunicação Social Audiovisual (Directiva SCSA) reformulou as regras da UE relativas à radiodifusão televisiva tradicional tendo em vista a era digital. Os países da UE tinham de transpor para o direito nacional, até 19 de Dezembro de 2009, as regras actualizadas aplicáveis ao sector audiovisual europeu. A Directiva cria um mercado único de todos os serviços de comunicação social audiovisual, oferecendo segurança jurídica às empresas e protecção aos consumidores. " Há dois anos, as empresas e os consumidores aguardavam já com impaciência a adopção de novas regras da UE, mais flexíveis, que eliminassem a regulamentação antiquada e burocrática e tomassem em consideração os mais recentes progressos tecnológicos ", afirmou Viviane Reding, a Comissária Europeia para a Sociedade da Informação e os Media . " Actualizámos as regras da UE para a televisão com vista a tornar o sector audiovisual europeu mais competitivo. Exorto os países da UE a adaptarem, com urgência, o seu direito nacional, para que seja também possível utilizar as novas técnicas publicitárias permitidas pela Directiva SCSA ‑ não são aceitáveis mais atrasos na aplicação desta. A Comissão não hesitará em utilizar os poderes que lhe são conferidos pelo Tratado para assegurar a efectividade dessa aplicação. Lembro que o Tribunal de Justiça afirmou repetidamente que muitas destas regras são directamente aplicáveis a partir de 19 de Dezembro de 2009, ou seja, as empresas e os consumidores podem invocá-las, mesmo nos casos em que a legislação nacional ainda não as incorporou. " Terminado o período de dois anos de que os Estados-Membros dispunham para transpor as novas regras da UE respeitantes aos serviços de televisão e similares, como os de vídeo a pedido e vídeo móvel, apenas a Bélgica, a Roménia e a Eslováquia notificaram à Comissão a plena implementação, a Dinamarca, a França, o Luxemburgo e o Reino Unido notificaram à Comissão certas medidas adoptadas de aplicação da Directiva SCSA. Na Hungria , o processo legislativo ficou totalmente bloqueado após a rejeição, pelo Parlamento, do projecto de lei. A Directiva foi parcialmente aplicada pela Áustria, pela Alemanha, pela Irlanda por Malta e pelos Países Baixos , mas esta aplicação ainda não foi notificada à Comissão. Nos restantes países, o projecto de lei está ainda em discussão, acabou de ser publicado ou encontra-se em fase de consulta pública (ver anexo). Nos termos da legislação da UE, as directivas são instrumentos jurídicos vinculativos para os Estados‑Membros que oferecem às autoridades nacionais a possibilidade de escolherem a forma e os métodos que permitem alcançar os seus objectivos. O Tribunal de Justiça Europeu afirma que determinadas disposições de uma directiva são directamente aplicáveis após o prazo previsto num país da UE, ainda que essa directiva não tenha sido (ou tenha sido inadequadamente) transposta para o direito nacional. Para o efeito, tem de estabelecer direitos individuais e ser clara, precisa e incondicional. Nestes casos, os cidadãos podem invocar, perante as autoridades, essas disposições da directiva. A nova regulamentação da UE para o sector audiovisual facilita o acesso dos produtores e fornecedores de programas televisivos a financiamento proveniente de novas formas de publicidade, como o ecrã fraccionado ou a colocação de produtos, que são permitidas em todos os programas, excepto nas notícias, nos documentários e nos programas para crianças. Com a eliminação das regras que impunham um período mínimo de 20 minutos entre blocos publicitários, as empresas de radiodifusão dispõem de maior flexibilidade na programação. As novas regras fortalecem o sector televisivo e audiovisual europeu, reduzindo a regulamentação e criando condições equitativas para os serviços de comunicação social audiovisual «sem fronteiras». Asseguram que as regras de interesse público, nomeadamente as de protecção dos menores e da dignidade humana, se aplicam a todos os serviços audiovisuais, inclusive serviços a pedido, através de redes fixas, móveis ou de satélites. A Comissão instaura processos por infracção contra qualquer Estado-Membro que não notifique oficialmente à Comissão as medidas adoptadas para incorporar na legislação nacional as directivas da UE. Nos termos da antiga legislação da UE, estes processos podiam conduzir a uma sanção pecuniária após duas decisões do Tribunal de Justiça da UE. A partir de 1 de Dezembro de 2009, nos termos do Tratado de Lisboa, a Comissão, quando recorre ao Tribunal no âmbito de um destes processos contra um país da UE, pode indicar o montante da quantia fixa ou da sanção pecuniária a pagar pelo Estado-Membro em causa. Antecedentes Em 13 de Dezembro de 2005, a Comissão propôs a revisão da Directiva Televisão sem Fronteiras, para ter em conta a evolução tecnológica e do mercado no domínio dos serviços audiovisuais ( IP/05/1573 , MEMO/06/208 ). A Comissão propôs em 9 de Março de 2007 uma directiva actualizada relativa aos serviços de comunicação social audiovisual ( IP/07/311 ), preparando assim o terreno para um rápido acordo do Parlamento e do Conselho ( MEMO/07/206 ). O Parlamento Europeu aprovou a posição comum do Conselho e a Directiva entrou em vigor em 18 de Dezembro de 2007. A Directiva SCSA está disponível em: http://ec.europa.eu/avpolicy/reg/avms/index_en.htm
2,703