NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Utilizadores de iOS têm mais propensão à queda de cabelo

Utilizadores de iOS têm mais propensão à queda de cabelo

quarta-feira, 01 abril, 2015 /
Utilizadores de iOS têm mais propensão à queda de cabelo

Um recente estudo revelou que os utilizadores de iPhone perdem cabelo mais depressa do que os utilizadores de Android.


Uma universidade norte-americana cujo nome se mantém no anonimato, revelou uma conclusão de um estudo longitudinal que vinha a decorrer desde 2007. O tema do estudo centrou-se numa comparação entre indivíduos que utilizam smartphones Android e iOS, e em como essa mesma utilização pode afectar a queda de cabelo.

Para o estudo foram seleccionados mais de mil sujeitos através de amostragem aleatória, tendo sido excluídos aqueles que já padeciam de alguma patologia do foro folicular. 

Durante cerca de sete anos e meio, os utilizadores foram acompanhados pela universidade investigadora, em que tiveram obrigatoriamente de fazer exames médicos duas vezes por ano, cujo objectivo foi o de averiguar a taxa percentual de perda de cabelo ao longo da utilização dos equipamentos. 

O estudo terminou recentemente, e a conclusão não podia ser mais impressionante. 

De todos os utilizadores seleccionados para o estudo em questão, cerca de 78% dos que fizeram uso de dispositivos com sistema operativo iOS revelaram uma taxa anual de perda de cabelo de 5%, ao passo que relativamente aos utilizadores de Android, apenas 23% reportaram ter sofrido de tais mazelas, com uma taxa anual de perda de cabelo situada nos 2.3%. 

Não é a primeira vez que estudos deste género são levados a cabo por universidades de renome, contudo, este é o primeiro a obter resultados conclusivos. 

Há dois anos atrás, uma universidade do Reino Unido efectuou um estudo semelhante ao qual não foi possível dar continuidade, pois no decorrer da selecção da amostra, foram escolhidos vários utilizadores que já sofriam de infecções fúngicas e alopécias, o que inevitavelmente enviesou toda a investigação. 


3,911