NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Não há nudez na Playboy do Apple iPhone

Não há nudez na Playboy do Apple iPhone

terça-feira, 02 abril, 2013 /
Não há nudez na Playboy do Apple iPhone

A Playboy lançou a sua aplicação oficial para o iPhone, só que a Apple não tolera nudez na sua App Store - por isso a Playboy teve que contornar a situação.

Playboy e nudez não são propriamente sinónimos, mas estão lá perto - excepto, claro está, se estivermos a falar da aplicação para iPhone. Mas será a nudez realmente uma novidade? Talvez sim, talvez não. O Los Angeles Times, contudo, sabe que a verdadeira questão não é essa, mas sim as políticas de conteúdos da Apple App Store - uma aplicação que exibisse nudez nunca seria aprovada.

Ainda assim a Playboy decidiu contornar esta situação e oferecer a sua própria aplicação para iPhone não disponibilizando qualquer forma de nudez na plataforma da maçã, mas concedendo destaque para os conteúdos exclusivos da aplicação e para os melhores articos dos mais recentes números da Playboy Magazine.

Não há nudez na Playboy do Apple iPhone

Continuarão a existir fotografias das modelos que posaram para a revista, sem nudez claro, e conteúdos direccionados fortemente para categorias como lifestyle. 'Reconstruímos a Playboy para o iPhone do zero, de forma a atrairmos' uma nova geração de fãs que sejam apreciadores 'das indulgências da boa vida artesanal e da cultura moderna'. Os conteúdos, contudo, serão pagos. A Playboy disponibiliza três modelos de subscrição que podem começar nos $1.99 por mês, passar numa assinatura de seis meses ($10.99) ou um ano ($19.99).

Uma interessante questão levantada por Chris Matyszczyk da CNet, contudo, passa pela seguinte reflexão: 'parece que a natureza transcaccional da experiência sexual moderna tende a não fazer [do sexo] uma grande experiência', o que nos leva ao conteúdo da aplicação da Playboy. 'Poderá o conteúdo da nova aplicação da Playboy - mesmo que impingida pelos coronéis morais de Cupertino - realmente reflectir uma mudança genuína face ao sexo e por sua vez à marca Playboy'?

O que acham os leitores? Deixem-nos o vosso feedback!

3,989