NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Mais restaurantes usam apps para pedir comida online

Mais restaurantes usam apps para pedir comida online

quinta, 29 setembro, 2016 /
Mais restaurantes usam apps para pedir comida online

As apps mudaram o modo como usamos menus, pedimos comida e pagamos nos restaurantes.

Veja como funciona o Emenuk

 

*Está a ler um guest-post do Emenuk.pt

Se houve indústria a lucrar com as apps, foi a da restauração.

Veja o exemplo do restaurante Eastman Egg, em Chicago, que criou a sua própria app (e deixa encomendar comida fora de horas).

A app só alerta o restaurante para iniciar a preparação das refeições quando sabe que os clientes estão próximos do local. Através de serviços de localização, emite um sinal para a cozinha do restaurante quando sabe que os clientes estão próximos. Assim o restaurante tem tempo suficiente para ter tudo pronto pouco depois de ter chegado.

 

Nem tudo funciona na perfeição, claro, mas o processo está a ser aperfeiçoado (e todos estão satisfeitos).

As apps estão a traduzir-se em mais e melhores vendas. Um artigo do Chicago Tribune diz que os clientes gastam e visitam mais quando usam um telemóvel para pedir comida.

De onde veio isto?

 

“Uma app para pedir comida ao domicílio, por favor”

 

Bem, uma não; várias.

Os primeiros restaurantes a transformarem as apps numa parte importante do negócio foram os que dependiam das entregas de comida.

No Domino’s é possível encomendar comida para fora através de um simples emoji (de uma pizza) ou, em alternativa, usando a app da marca. E, na Pizza Hut, metade das vendas são atualmente atribuídas à sua app.

Mais do que os restaurantes, foram os utilizadores que ficaram rendidos à tecnologia.

 

“Dá para pedir comida e pagar online”?

 

Depende.

Muitos negócios que não dependem de entregas evoluíram as suas aplicações a pensar nos utilizadores em deslocação.

A app do Starbucks, que permite fazer pagamentos, é um exemplo perfeito: dados recentes indicam que as encomendas pelo telemóvel já representam 21% das transações da marca (o caso não é pontual; o Starbucks diz que isto é frequente em “diversas centenas” das suas lojas urbanas).

Mas nem todos têm a mesma abordagem.

A app da Dunkin’ Donuts só permite encomendar comida; o Taco Bell usa apps no seu negócio desde 2014; e o McDonald’s ainda está a testar o seu próprio sistema.

 

“Pedir comida e pagar pela internet? Gosto da ideia!”

 

A Deloitte valida esta tendência afirmando que, em restaurantes de fast food, as tecnologias aumentam em 6% a frequência de visitas dos clientes e em 20% os gastos por visita. Ou seja: faz com que volte mais vezes, e que gaste mais em cada visita.

No entanto, os resultados não são os mesmos para todos. Há negócios que ainda têm de aperfeiçoar as suas estratégias para começarem a colher resultados visíveis. E outros há que não depositam qualquer confiança na abordagem.

O facto é este: as apps vieram transformar o modo como encomendamos e pagamos comida online. E mesmo os negócios com mais dificuldade de adaptação têm pela frente uma larga margem de melhorias.

 

Ainda não está convencido?

 

 

1,263
Comentários
close