NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo

A promessa

sexta-feira, 30 janeiro, 2015 /
A promessa

Todas as marcas, pessoas ou serviços precisam de uma promessa/conceito

 

 


Todas as marcas, pessoas, cafés, tabacarias, talhos, perfumarias, etc… que querem marcar presença nas Redes Sociais com o objetivo de conseguirem chegar a mais pessoas, têm e precisam de uma promessa/conceito.


O que é uma promessa/conceito?

A promessa/conceito é aquilo que as distingue, que as diferencia. A promessa é aquilo que vai permitir a um Criativo/Gestor de Redes Sociais fazer um bom trabalho com essas marcas.

Grande parte das vezes, a promessa dessas marcas está na sua assinatura. A Nike com o seu Just Do it, a Vodafone com o seu Power To You, a Coca Cola com o Live Positively.

Obviamente estamos a falar de grandes marcas a nível mundial. Quando passamos para um universo substancialmente mais pequeno, como por exemplo uma pastelaria de bairro, onde não existe uma assinatura, uma promessa, um conceito, temos de encontrar aquilo que a torna única.


O que a pode tornar única?

A sua localização, os melhores pastéis de nata, o melhor bolo de chocolate, o rissol mais cremoso, pode ser o simples facto de estar aberto toda a noite. Quando as marcas começam a comunicar nas Redes Sociais para um universo de milhões, é preciso fazer-se notar, captar a atenção. Se não existir algo que as torne únicas, a comunidade vira-se para qualquer uma sem perceber o porquê e geralmente é para aquela que apareceu primeiro.

Quando fazemos uma proposta ou planeamento de Gestão de Social Media para uma marca, pessoas, loja, etc…temos de ter em conta a sua promessa. Se não existe, temos de a criar, se já existe não podemos fugir, apagar ou ignorar, caso contrário podemos estar a criar uma página esquizofrénica de várias ideias sem tocar no ponto importante. O que tem de bom e de único.

Se pensarmos mais um pouco sobre a promessa e o conceito descobrimos que até as pessoas, como indivíduos, deviam ter uma promessa. Deviam ter a sua própria assinatura, algo que fizesse deles únicos e não apenas mais “uma pessoa”.


Há uns meses, no Behance Reviews Lisboa, organizado pela JWT, falei com um jovem criativo que estava a entrar no mercado de trabalho e que me perguntava como é que se podia destacar, uma vez que eram muitos os jovens como ele e que era difícil sobressair.

A primeira coisa que perguntei foi o que é que ele tinha de diferente para oferecer. A sua resposta foi esta: « Eu? Eu sou o “Brown Sugar”, não vês? Está aqui muita gente mas ninguém tem a minha cor, nem a minha pinta africana. Dou um toque doce à criatividade. Brown Sugar ».

E eu respondi « Ora aí está. Esse és tu, e é aí que tu podes e vais marcar pela diferença. Tu és um conceito, tu és o “Brown Sugar”. Quando fizeres o teu portfólio, quando te quiseres apresentar em agências, apresenta-te como o “Brown Sugar”, que dás um toque doce à criatividade, acredita que ninguém se vai esquecer de ti ».


Passados estes meses, não me lembro de nenhum dos jovens que falaram comigo nessa noite mas lembro-me bem do “Brown Sugar”, porque foi diferente, foi uma pessoa com uma promessa e um conceito - e esses não se esquecem.

Tudo na vida precisa de uma promessa e de um conceito. Até uma simples viagem de Lisboa ao Porto, uma saída a 2 ou um jantar com os amigos.

Se perdermos algum tempo a perceber o que pode tornar algo único, algo torna-se realmente único e inesquecível.


3,844