NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Telemóveis Touch Screen
close

Telemóveis Touch Screen

quarta, 18 maio, 2011 /

Os telemóveis Touch Screen vieram para ficar. Se primeiro se estranhou, logo se entranhou a moda dos telemóveis Touch Screen. E hoje dominam o mercado.

Se olharmos para o mercado dos telemóveis, só muito recentemente é que os telemóveis Touch Screen ganharam protagonismo. E se hoje em dia são imensamente populares, quando os telemóveis tácteis foram lançados causaram uma sensação de estranheza.

Mas os tempos hoje em dia são outros, e vivemos na era das tecnologias mobile e os telemóveis touch, como os tablets, dominam as tendências).

Telemveis_Touchscreen_02

Telemóveis Touch Screen vs. Telemóveis Tradicionais

Um telemóvel Touch Screen faz tudo o que um telemóvel tradicional faz. Ou melhor, sejamos honestos. Um telemóvel touch, hoje em dia, faz muito mais do que um telemóvel tradicional. Num mercado onde o conforto do teclado físico esteve instalado por mais de uma década, que novidades trouxeram os telemóveis touchscreen e os seus ecrãs tácteis?

Primeiro que tudo, o boom da Internet no telemóvel ajudou a ver o lado prático (e vantajoso) de um telemóvel Touch Screen. Navegar na internet com um telemóvel touchscreen é mais cómodo, prático e rápido. Tirar fotos, fazer zoom, utilizar aplicações e navegar nos menús do telemóvel, entre outras coisas, também evoluiu com os telemóveis Touch Screen.

Mas...

Os saudosistas mais conservadores e adeptos dos teclados físicos argumentam, inúmeras vezes, que o envio de SMS foi uma das características que saiu a perder com esta evolução. O leitor concorda? Mesmo aqui as opiniões parecem dividir-se.

Um dos pressupostos da tecnologia, e os telemóveis (Touch Screen ou não) não são excepção, é o da sua simplicidade. À medida que uma tecnologia se torna mais complexa e evolui, em contrapartida a sua utilização deve caminhar no sentido oposto, e tornar-se mais simples e intuitiva.

Os telemóveis Touch Screen tornam-se vantajosos por simplificarem muitos aspectos da utilização quotidiana de um telemóvel. Perdemos menos tempo a navegar por menús do que em telemóveis com teclado, e se isto não se deve propriamente à tecnologia Touch Screen, deve-se à evolução da interface de utilizador e do design dos menús.

Telemveis_Touchscreen

Que acompanhou e se adaptou precisamente às metas dos telemóveis touchscreen.

Os menús não se tornaram mais visuais por acaso, nem as listagens textuais foram abandonadas por coincidência. Com um simples toque, navegar pelos menús de um telemóvel Touch Screen é muito mais simples, rápido, intuitivo, eficaz e até divertido, do que há uma década atrás. E permite aos utilizadores uma maior organização. 

Mas não é apenas pela utilização dos dedos que estes telemóveis se desmarcam da concorrência tradicional. O design é uma das características que tornam estes telemóveis mais apelativos, aliado a um bom software e (cada vez mais) a hardware capaz de concorrer com computadores.

Telemóveis Touchscreen com teclado físico

Telemveis_Touchscreen_03

As SMS são a funcionalidade mais utilizada no telemóvel, ultrapassando inclusive a média de chamadas efectuadas. As SMS são também um dos focos de discussão entre os fãs de telemóveis Touch Screen e os conservadores apoiantes dos telemóveis com teclado tradicional.

Se há quem se tenha adaptado ao teclado virtual de um telemóvel Touch Screen, há quem ainda assim continue a preferir as teclas físicas de um teclado tradicional.

Porquê ?

As teclas enraizaram-se, e as SMS são o principal meio de comunicação mobile dos jovens. Uma geração inteira a enviar SMS adaptou-se ao teclado físico, que proporciona uma escrita rápida de SMS (sem ser sequer preciso olhar para o teclado). Um telemóvel Touch Screen não permite isto, por exemplo.

Mas é precisamente por isso que os "híbridos" são tão populares. Referimo-nos, claro está, a telemóveis Touch Screen (com todas as funcionalidades de um Touch Screen sofisticado) com teclados físicos. Um exemplo recente (Maio 2011) é este telemóvel Android touchscreen Sharp Aquos Phone IS11H.

Telemveis_Touchscreen_05

Apple iPhone e a moda dos telemóveis touchscreen

Quem poderemos culpar pela propagação dos telemóveis touch? A Apple, concerteza. Uma das principais ambições de Steve Jobs passa por criar um dispositivo completamente livre de botões físicos, que seja totalmente Touch Screen. O iPhone e o iPod touch não vieram introduzir, mas sim massificar a tendência tecnológica dos telemóveis tácteis.

As próprias marcas aperceberam-se desta tendência para telemóveis Touch Screen e, entre Agosto de 2008 e 2009, o mercado de telemóveis touch cresceu cerca de 159%. E até aos dias de hoje foi a massificação que se conhece, e que não revela sinais de abrandamento.

Com a categoria dos telemóveis Touch Screen surgiu um novo conceito de telemóveis, que seriam os telemóveis inteligentes (ou smartphones). E se em 2009 o iPhone da Apple estava presente em 32,9% do mercado de telemóveis touch, a LG também foi popular neste segmento com os seus dois modelos LG Voyager (7,8%) e LG Dare (8,7%).

Quanto aos telemóveis touchscreen inteligentes, ou smartphones, isso já dá para outra história.

6,904
Comentários

Autores

João Fonseca

Kazam Tornado 348. Análise

Por João Fonseca | 27 agosto 2015

Lauro Lopes

Como funciona o carregamento wireless?

Por Lauro Lopes | 26 agosto 2015

João Paulo Almeida

Phonebloks, finalistas no INDEX: Award 2015

Por João Paulo Almeida | 12 junho 2015

Henrique Vieira

Países para investir em apps

Por Henrique Vieira | 15 dezembro 2014

Colaborações

iOnline - Tecnologia

Google. Uma empresa Alphabet

Por iOnline - Tecnologia | 16 agosto 2015

Tecnologia e Gadgets

IMEI. Porque todos deveriam saber o do seu telemóvel

Por Tecnologia e Gadgets | 10 fevereiro 2015

Colunistas

Rute Gil

O inferno são as redes

Por Rute Gil | 09 junho 2015

Paulo Rossas

O Community Manager não é a mãe, é a babysitter

Por Paulo Rossas | 03 junho 2015

Ricardo Miranda

Vi, ri e venci

Por Ricardo Miranda | 30 março 2015